QUEM SOU EU

Minha foto
Goiânia, Goiás, Brazil
Escrevemos sobre assuntos ligados à história goiana, genealogia, artes, artesanato e assuntos de interesse de nossa família. Portanto, esse espaço pertence a uma pessoa somente, é público, todos podem ler se quiser, pois aqui publicamos vários tipos de assuntos, a grande maioria dos leitores se manifesta positivamente e com elogios, o que agradecemos muito. Os comentários devem ser acompanhados de identificação, com email, para que sua opinião seja publicada.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

DESMONTE DA CARIDADE


Outro dia li um texto sobre as oportunidades perdidas pela cidade de Goiânia ao longo de sua “curtíssima” vida. Goiânia se destaca por ter inúmeros empreendimentos de sucesso, mas estão contabilizadas, também, as perdas pela falta de interesse, ou talvez, porque “falta descobrir a essência de ser goianiense,” como disse Afif Sarhan, outro dia. Falta acreditar em seu potencial, em seus líderes, em suas tradições. Falta o orgulho de ter um grupo que se destaca por sua generosidade. É preciso amar a cidade, amar a sua história, preservar o que se tem e valorizar àqueles que podem realizar algo que faça a cidade se destacar.
Nesse episódio Arquidiocese e Padre Luiz Augusto é certo que perdem muitos, não somente o grupo de católicos que trabalha sob a liderança dele, pois, enquanto se espera a decisão do comando da Igreja de Goiânia, nesses últimos três meses, o grupo, proibido de se reunir, deixa de atender a milhares de pessoas carentes, é o desmonte da caridade católica, de um serviço de grande estrutura. Perde-se o comando, o elo empreendedor do mais dinâmico grupo de trabalho social das paróquias de Goiânia, quiçá do Estado. Perdem o Estado, o Município e a cidade um parceiro que não necessita ser remunerado, que não tem custos para os cofres públicos, pois os seus colaboradores sustentam os projetos que são realizados. Ele já deu provas da sua capacidade, deixando para a cidade um grande legado em obras  realizadas durante a sua gestão à frente da Paróquia Sagrada Família: A Casa Bom Samaritano, a Casa Pobre de Deus, a Casa Mãe de Deus, a Creche Coruja, a Chácara de Recuperação Luz que Liberta, o Consultório Médico na Paróquia com diferentes especialidades, o Consultório Odontológico, a Farmácia.
Ora, quem ganha com todo esse trabalho que o Padre Luiz realiza? Ganha a cidade, porque o Padre Luiz e seus fiéis desenvolvem um trabalho que qualquer governo gostaria de ter em parceria, pois, eles atendem e conseguem levar auxílio aonde enxergam que ninguém pode  chegar. Eles têm preparada uma equipe de apoio que quando convocada, assume a responsabilidade como se fosse atender em consultórios particulares. É assim, são centenas de profissionais da área médica, da área de odontologia, da área de indústrias farmacêuticas, que, com a ajuda de empresários e com um número sem igual de voluntários, levam à periferia pobre da grande metrópole de Goiânia toda uma estrutura de atendimentos sociais diversos.
Será que estão contabilizando essa perda? Será que estão pensando na criança do Lixão de Aparecida que não queria brincar porque sentia muita fome? Ela disse a um dos participantes, chorando: “eu só quero comida tem dois dias que eu não como, tem um pão aí para me dar?” É para esse público carente, que está  faminto em um ambiente de muita pobreza que o Padre Luiz e as pessoas que trabalham com ele fazem muita falta.
Pois bem, que a sociedade goianiense fique ciente que esse goiano de Rio Verde é para ser preservado no meio de nós, é para ser valorizado o seu trabalho de grande empreendedor que unido a milhares de fiéis deixou um grande legado administrativo (de estrutura de uma grande Prefeitura) para a Paróquia Sagrada Família e se não fosse a punição imposta a ele – será que é justa? - esse trabalho fenomenal não estaria interrompido, pois, o Padre empreendedor não fica parado, ele já estava realizando, com os fiéis que se transferiram com ele para a Comunidade Atos, todo o trabalho de caridade estruturado para atender a milhares de pessoas, uma força de trabalho imprescindível para ajudar os pobres que vivem à beira da miséria, por falta de oportunidades.
Ele não para, está construindo a Casa de Nossos Pais, um abrigo para idosos. Os atendimentos com profissionais da área de saúde, odontologia e outras serviços como carteira de trabalho, certidões de casamento e nascimento são realizados nos finais de semana para as comunidades carentes, no Lixão de Aparecida e nas imediações da Comunidade Atos. Ele, quase que diariamente, faz visitas aos hospitais e, ultimamente, iniciou um trabalho de evangelização para os presos do CEPAIGO. Esse é o incansável Padre Luiz, realiza obras e mais obras, pois, com ele sempre estão pessoas que acreditam e confiam na sua capacidade de trabalho.
Como podemos fechar os olhos e não manifestar o apoio ao Padre Luiz Augusto? Quantos já precisaram dele e ele atendeu? Quantos levam seus necessitados aos abrigos que ele criou? Não se trata de apoiar por apoiar, é apoiar alguém que tinha o maior dízimo de Goiânia, que tinha o maior número de fiéis em suas celebrações, que tem a mais significativa gestão em empreendimentos dessa Arquidiocese, que tem e sempre terá um significativo número de empreendedores junto a ele porque confiam nele.
O silêncio da sociedade e da Arquidiocese parece referendar mais uma inconcebível perda para a cidade de Goiânia. Perder o Padre Luiz Augusto, é perder a chance de ser reconhecida como uma cidade que tem uma população generosa, que se destaca pelos inúmeros trabalhos em prol das pessoas marginalizadas e sofridas. Esse padre goiano, de Rio Verde, que sabe administrar evangelizando, é patrimônio da cidade de Goiânia, como Padre Marcelo é patrimônio de São Paulo. A sociedade precisa da ajuda do Padre Luiz Augusto e ele precisa da ajuda da sociedade goianiense intercedendo, pedindo ao Arcebispo que libere o Padre Luiz para exercer o que Deus o abençoou para fazer, ele ama o seu sacerdócio, ele é um católico cristão pleno, está adoecendo com esse afastamento. Deus usa o Padre Luiz como intermediário de tantos, de milhares de católicos. Deus o usa sabiamente, ele é um servo preparado e útil. Os que não simpatizam com ele, devem simpatizar com o sucesso da Igreja Católica, torçam por ela e sejamos irmãos em Cristo, sem rancores.
Dom Washington delegou a Dom Waldemar a decisão sobre o destino do Padre Luiz. Goiano, como o Padre Luiz, seguramente, Dom Waldemar há de valorizar seu irmão conterrâneo e sob a sua orientação fará desse episódio uma folha passada. Somos goianos, valorizando os goianos, escrevendo a história de pessoas que se destacam para o bem de nosso povo.
Os fiéis estão sofrendo, merecem uma resposta e estão com pressa, tem gente faminta esperando. Na dúvida, perguntem como Jesus agiria? A resposta seria: como o Pai ensinou, perdoando setenta vezes sete e acima de tudo, está o Amor.



4 comentários:

  1. Belo texto, Maria Dulce, é uma pena que nós filhos do Pe. Luíz Augusto, não podemos dizer: é mais belo ainda esse tempo que estamos passando...

    ResponderExcluir
  2. Bernadete Lisita Rosa24 de janeiro de 2012 20:44

    Maria Dulce,essa situação está muito difícil, nós precisamos de uma resposta, a Arquidiocese tem que se manifestar perante os fiéis. O Padre Luiz foi e sempre será um grande representante da Palavra de Deus. Com o seu carisma, a sua sabedoria, levou multidões a mudarem de vida, a buscar realmente a presença de Deus, a viver uma vida santa... Eu me pergunto: Meu Deus, por que tudo isso? Nós não poderíamos estar passando por isso, não é justo. É lamentável!!!
    Padre Luiz, por favor,venha nos trazer de novo o nosso Jesus vivo na Eucaristia. Por favor... Saudades... Muita força para o senhor.
    Maria Dulce, continue com esse trabalho maravilhoso que voce faz. Muito obrigada por suas palavras porque elas exprimem exatamente tudo o que queríamos dizer e você faz com uma sabedoria plena. Parabéns. E vamos rezar para tudo dar certo. "Eu protejo a minha família, eu rezo por ela"...

    ResponderExcluir
  3. Maria Dulce, você sempre nos proporciona pelos textos, este é mais um deles, parabéns. Ví a entrevista do Pe Luiz Augusto ao Jornal O Popular de Goiânia, segue o link abaixo para visualizar no YouTube em tela cheia:

    http://www.youtube.com/watch_popup?v=eLFHAa-EWik

    O Pe.Luiz deve ter paciência, pois a gente vê, nas entrevistas que ele está sofrendo com tudo isto, porém, a maioria dos Santos passaram por momentos de provação como este em que ele está vivenciando, porém, todos os Santos venceram as forças do mal ~ o bem sempre há de vencer. Como ele já disse, anteriormente, que realmente ser padre é sua missão para o resto da vida, então, ele vai aguentar o momento de deserto que ele está vivendo. E, para concluir, vamos relembrar a palavra de DEUS em Mateus 25:34-36 que reza:

    “Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;
    Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;
    Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me. “
    Paz e bem!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, minha irmã!
    Mais uma vez parabéns por mais um belíssimo texto seu!
    Que Deus continue te abençoando e te inspirando!
    Paz e bem!

    ResponderExcluir

os comentários somente referentes ao blog, sem ofensas e com nome e sobrenome. Os ANÔNIMOS serão descartados. Até 10 linhas.