QUEM SOU EU

Minha foto
Goiânia, Goiás, Brazil
Escrevemos sobre assuntos ligados à história goiana, genealogia, artes, artesanato e assuntos de interesse de nossa família. Portanto, esse espaço pertence a uma pessoa somente, é público, todos podem ler se quiser, pois aqui publicamos vários tipos de assuntos, a grande maioria dos leitores se manifesta positivamente e com elogios, o que agradecemos muito. Os comentários devem ser acompanhados de identificação, com email, para que sua opinião seja publicada.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

A OMISSÃO CAUSA DANOS IRREPARÁVEIS


A tragédia dos edifícios que desabaram no Rio de Janeiro traz à tona alguns comportamentos atípicos nas pessoas instruídas que se sobressaem em suas atividades, contudo, se resguardam quando têm que tomar alguma atitude que envolva denúncias ou posicionar-se diante de fatos que lesam o cidadão ou a si mesmo, talvez por acharem que no Brasil a permissividade com o que está errado é uma prática comum e sem punição para o infrator ou o causador dos erros ou mesmo em casos judiciais em que a justiça é morosa e tardia, como dizia Rui Barbosa: “justiça tardia nada mais é que injustiça institucionalizada”. Se não punem, para que denunciar? Todos sabem que a impunidade grassa solta entre nós.
Nesse caso da tragédia, parece difícil acreditar que toda a quebradeira de um andar inteiro não foi notada por todas as pessoas que trabalhavam no edifício. Como será que retiravam todo o entulho? E o barulho das marteladas quebrando as paredes? Será que não se interessaram em ver o que acontecia? Não atentaram para o fato de que a reforma poderia causar algum dano à estrutura do prédio? Para casos assim, podem dizer, tem o síndico, cabe a ele fiscalizar as obras do edifício. Certo, realmente, se há um síndico, ele deve assumir essa responsabilidade. Porém, se ele não age e o fato atinge a todos, alguém pode denunciar o descaso, conforme a Lei permite. Quem sabe teria sido evitada essa tragédia. Bastava que uma só pessoa denunciasse ao órgão competente e pedisse a autorização para essa reforma. Em 20 andares, com diversas salas e escritórios de uma classe privilegiada em instrução, é difícil saber por que ninguém denunciou ou pediu para verificar se a reforma estava autorizada pelo órgão competente. Com a omissão e/ou a falta de esclarecimento (penso que poderia ser isso também) o resultado foi a grande tragédia, perderam vidas, todas as documentações e os sobreviventes perderam o local de trabalho e talvez, o seu emprego. Além da dor da tragédia, centenas de famílias conviverão com este pesadelo ao longo de suas vidas. E, se alguém tivesse denunciado a reforma? Bem, a história seria outra. Fica para todo o Brasil mais uma história de tragédia por omissão das pessoas e por falta de interesse no bem comum. Coisas assim se repetem. Se o mal acontece ao “vizinho” deixa pra lá, não é comigo, porém, esse mal pode chegar até a sua casa, prejudicando a todos da sua família.
Mesmo que estejamos acostumados a ver tanta impunidade, com reivindicações arquivadas e nada acontecer, é preciso acreditar no direito de poder denunciar qualquer coisa que esteja errada, para evitar que se transforme em imensas tragédias ou mesmo que seja finalizada penalizando a sociedade. Assim agindo, não seremos omissos.
Alguém me sugeriu uma trégua sobre esse assunto, enquanto a Cúria não se manifestasse sobre o término dessa punição. O silêncio diz o quê? Silenciar significa que estamos esperando pacientemente uma resposta? Não, não é isso. É zelo por algo que tem feito muito bem à sociedade. Não é impaciência, nem impertinência, a correção tem atrasado muitas ações e para que continuar? O erro a ser corrigido, alvo da punição, muda a cada quinze dias?
Estamos nos colocando à disposição para ajudar a Igreja Católica – milhares de pessoas se colocam à disposição da Cúria. Somos católicos e seremos sempre católicos. Dispostos a colaborar, a não permitir que as pessoas se decepcionem com a Igreja Católica e tenhamos uma tragédia chamada “desmonte da caridade, da fé, da catolicidade”.
Essa correção que determina as pessoas que podem participar da missa celebrada pelo Padre Luiz Augusto na sede da Comunidade Atos fere a Constituição Brasileira que diz que somos livres para ir e vir aonde quisermos. Fere o livre arbítrio dado por Jesus Cristo. Fere o juramento que fazem os sacerdotes ao serem consagrados. Fere  cada pessoa que escolheu o que fazer com a sua família aos Domingos, aonde, como e com quem quer estar.  
Como impor um castigo por coisas que, aos olhos da maioria, parecem bobas e sem sentido, mais ainda se partimos da premissa de que essa correção ao Padre Luiz Augusto vem da Direção da Igreja Católica Apostólica Romana, a Entidade Religiosa com mais de dois mil anos, que  prima pela prática da caridade, do amor ao próximo. Ser punido por ser aplaudido demais pelos fiéis, por lotar a Paróquia em uma missa, por ser muito exigente em sua maneira de confessar, por usar batina “rota”, diariamente, por ser “considerado excessivamente” vaidoso?! Por desobedecer às regras de celebrar com o folheto que todos distribuem nas missas de domingo (quem ganha são as gráficas). Por fazer construções para a Igreja sem o devido consentimento antecipado da Direção, por celebrar casamentos aos casais pobres do Lixão de Aparecida, por fazer visitas aos doentes em hospitais, por batizar crianças doentes em suas casas,  por não ser obediente algumas vezes? Mas, qual a transgressão tão grave que o Padre Luiz e as pessoas que o acompanham fizeram para merecer um castigo assim tão severo, que se alonga por mais de três meses?  
Quanto mais escrevo sobre o assunto, menos entendo a parte humana da Igreja Católica que deve ser à imagem de Cristo. Cabe ao Pastor dos Pastores – ou seja, cabe ao Arcebispo ou a quem ele delegou autoridade, no caso Dom Waldemar e ao Colégio de Consultores cuidarem de seus Padres com carinho e orientando-os com bondade, porque é sabido que a messe é grande e estão faltando padres.
Por quê? Por quê? Por quê?  Um dia a história explicará o porquê disso tudo. Mas, hoje, é urgente que o perdão, a solidariedade, a comunhão da unidade católica seja preservada, que o Padre Luiz Augusto e as pessoas que o acompanham tenham com a Arquidiocese uma comunhão que leve à catolicidade desejada e seja a recíproca verdadeira, também. 

Um comentário:

  1. Bernadete Lisita Rosa31 de janeiro de 2012 16:45

    Olá, Maria Dulce, como sempre as suas reflexões são infinitamente, não sei nem dizer, verdadeiras, sábias...? Sabe, vai lá na alma e, nós, aqui esperando..., esperando..., esperando..., Nossa, que coisa mais angustiante, estafante, inexplicável. Não dá para entender se Deus é misericordioso, se a Igreja ensina isso a todo momento por que ela está sendo tão contraditória? É preciso rever esses conceitos. Vamos cumprir os mandamentos de Deus: "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo". Perdoar é amar.
    Bernadete Lisita Rosa

    ResponderExcluir

os comentários somente referentes ao blog, sem ofensas e com nome e sobrenome. Os ANÔNIMOS serão descartados. Até 10 linhas.