QUEM SOU EU

Minha foto
Goiânia, Goiás, Brazil
Escrevemos sobre assuntos ligados à história goiana, genealogia, artes, artesanato e assuntos de interesse de nossa família. Portanto, esse espaço pertence a uma pessoa somente, é público, todos podem ler se quiser, pois aqui publicamos vários tipos de assuntos, a grande maioria dos leitores se manifesta positivamente e com elogios, o que agradecemos muito. Os comentários devem ser acompanhados de identificação, com email, para que sua opinião seja publicada.

sábado, 12 de novembro de 2011

SERIA UMA RESPOSTA AO COLÉGIO DE CONSULTORES DA ARQUIDIOCESE?

Como o tema não tem novidade, acho que o texto "DEUS NOS PEDE SOMENTE PARA AMAR" responde ao esclarecimento abaixo: 
Arquidiocese de Goiânia esclarece
A Arquidiocese de Goiânia, por meio do seu Colégio de Consultores, reconhece o interesse com que muitos fiéis católicos, além de membros da sociedade em geral, acompanham a vida da Igreja Católica. Gostaríamos de esclarecer que transferências periódicas de religiosos, religiosas e ministros ordenados fazem parte da vida da Igreja. Tais medidas visam sempre ao bem da comunidade e daquele que assume uma nova missão.
Quando o Pe. Luiz Augusto Ferreira foi designado para uma nova missão pastoral, deixando de ser o responsável imediato pela Paróquia Sagrada Família, o Sr. Arcebispo Dom Washington Cruz acolheu a solicitação do referido padre para permanecer na Comunidade Atos. Ficou então definido pela autoridade eclesiástica competente que o Pe. Luiz Augusto se dedicaria ao acompanhamento espiritual dos membros efetivos das comunidades "Luz da Vida" e "Atos".

Essas "Novas Comunidades" trazem alegria e esperança para a Igreja, mas não têm o mesmo perfil pastoral que as paróquias possuem. Por esse motivo, está sendo solicitada a correção da postura pastoral do referido sacerdote.

O Pe. Luiz Augusto permanece sendo membro do clero de Goiânia e em diálogo constante com seus responsáveis. Ele continua tendo uso de Ordens, ainda que com restrições previstas pelo Código de Direito Canônico.

Unidos, sinceramente, a todos os irmãos, esperamos que se manifeste sempre mais a comunhão da Igreja, para que o Evangelho de Jesus Cristo seja anunciado e produza frutos de vida e paz.

Arquidiocese de Goiânia - Colégio de Consultores


DEUS NOS PEDE SOMENTE PARA AMAR!

Esclarecer porque muitos apoiam ao Padre Luiz Augusto, não vem ao caso, mas, contudo, eu, Maria Dulce, digo que li muito sobre a Igreja Católica, e para mim, é claro e certo de que só deve orientar o bom cristão os dogmas, concílios, catecismos – já que mencionaram assim - se neles existirem a verdadeira razão de todos nós sermos católicos - O AMOR DE CRISTO acima de tudo, ou seja, sem esse amor as nossas ações são falhas. A nossa fé é nula, deixamos de ser cristãos, e, aí sim, tornamos os fanáticos seguidores de homens que estabelecem preconceitos, distinções, ou tudo o que Deus não pede. Onde está estabelecido que um pedaço de papel é mais importante do que a Bíblia? Ou que uma rotina deve ser imitada, decorada e lida todos os dias durante a missa ou celebrações, causando desinteresse, preguiça e sono na maioria das pessoas? Está estabelecido em algum lugar que rezar e cantar causam a ira de Deus?
Quando se fala em Padre Luiz Augusto não se fala de um homem sozinho, fala-se de uma comunidade de milhares de pessoas, que unidas ao Padre estão trabalhando para atender pessoas necessitadas, sendo o Padre Luiz fator aglutinador, a peça principal dessa força cristã-católica. Penalizar ao Padre Luiz é causar um imenso dano a milhares de pessoas que o ajudam, além disso, estarão deixando órfãos os miseráveis do Lixão do entorno de Aparecida que dependem dele até para comer. Deixarão abandonados centenas de idosos, de dependentes químicos e pobres que aguardam a sua ajuda com as cestas distribuídas todas as semanas por seus "seguidores". Sim, seus "seguidores" são servos que participam de suas celebrações cantadas, rezadas em línguas, que realizam curas pela fé em Deus. São esses mesmos "seguidores" que cantam, rezam, têm fé nas curas de Deus, que têm levado comida, vestimentas, assistência médica e odontológica, conforto, apoio espiritual e à medida do possível conseguem levar segurança pública, posto médico, educação sensibilizando a todos que acreditam nas ações generosas do Padre Luiz e da comunidade, que não têm nenhum interesse em ser agradável ao Padre Luiz, pois quem recebe é ele, os pessoas doam a quem confiam.
Quem acha que todos freqüentam a Comunidade Atos apenas para escutar as belas palavras de Padre Luiz, não erram, mas é, ele tem o dom da palavra, mas, toda a comunidade é dedicada à compaixão, ao amor ao próximo, que é tudo que Jesus pregou.
Tem gente que diz que o Padre Luiz gosta de ricos, é o oposto, os ricos gostam dele, porque sabem aonde são aplicadas as suas doações e eles sabem que o dinheiro doado ao Padre Luiz é totalmente aplicado em caridade, é tanto assim, que nunca falta doação para suas ações generosas. Os ricos procuram quem sabe e pode administrar bem as doações.
Quem critica deveria participar, pode ir lá, aliás, vá lá e participe, mas, vá de coração aberto, pois, as pessoas lá são assim dispostas a colaborar seja no que for, se for para o bem do próximo. Não criticam, não amolam outras paróquias, não exalam discórdias, só querem fazer caridade e rezar.
Se ainda não convence, pense na falta que o Padre Luiz fará às pessoas assistidas por ele, como a pequena que mora no Lixão de Aparecida. Será que essa cena comove somente aos "seguidores" do Padre Luiz? No dia da Festa Junina levamos roupas, brinquedos e foi celebrada uma Missa. Uma menina de quase seis anos se aproximou carregando uma boneca toda acabada, tentamos consertar, mas, ela jogou a boneca fora e disse chorando: "Eu não quero nada disso, só quero comida, tem dois dias que eu não como". Engasgados de tristeza, demos a ela um cachorro quente. Em seguida, ela pediu mais um, foi dado, pensando que estava satisfeita, ela, ainda, perguntou: "Na festa tem comida, porque eu só vou se tiver comida, só quero comida e mais nada". Recusou até os brinquedos.
As pessoas miseráveis do Lixão precisam da ação do Padre Luiz e de seus "seguidores", que são chamados de servos, para dar qualidade de vida e dignidade aos que moram ali.
Será que para tudo o que o Padre Luiz faz, terá alguém para dar continuidade? Existe um Padre indo ao Lixão de Aparecida? Um padre tem feito as visitas que ele faz aos doentes em hospitais? Algum padre está dando apoio espiritual a centenas de pessoas que estão indo à Comunidade Atos? Algum Padre tem conseguido celebrar com entusiasmo na Comunidade Atos? Se tentam substituí-lo, pensem em alguém que tenha toda essa capacidade e qualidades admiráveis. Há um imenso trabalho evangelizador, caridoso, de grande repercussão no meio católico, realizado pelo servo de Deus Padre Luiz Augusto Ferreira da Silva. Um padre incansável no serviço a Deus e pelo bem do próximo. Que tem seus seguidores, servos como ele, que querem atender ao chamado de Jesus, amar a Deus e ao próximo, servindo. Como ele mesmo diz: “Eu vim para servir e não para ser servido.”

4 comentários:

  1. ana cláudia pacheco12 de novembro de 2011 11:33

    Suas palavras traduzem o sentimento de milhares de pessoas.Por favor publique no jornal este grito de indignaçãode toda uma sociedade. Obrigado Maria Dulce.Ana Claudia Pacheco e familia.

    ResponderExcluir
  2. como assim não possuem o mesmo perfil pastoral? Tenho acompanhado a Canção Nova pela TV, uma benção como as missas do padre Luiz. Será que aquela comunidade está errada? O Bispo de lá os apoiam e muito. É má vontade do Dom Wasghinton mesmo

    ResponderExcluir
  3. “É, portanto, uma injustiça contra a pessoa humana e contra a própria ordem estabelecida por Deus, negar ao homem o livre exercício da religião na sociedade, uma vez salvaguardada a justa ordem pública.”

    ResponderExcluir
  4. Maria Dulce, você é nossa voz, nossos sentimentos, por favor não se cale...

    ResponderExcluir

os comentários somente referentes ao blog, sem ofensas e com nome e sobrenome. Os ANÔNIMOS serão descartados. Até 10 linhas.